Quando estamos começando no mundo das trilhas é comum errarmos na hora de comprar um equipamento, afinal, são muitas informações no mercado e a gente fica confuso. Eu já cometi muitos erros no passado, principalmente na compra da minha primeira mochila cargueira.

Agora que aprendi, quero compartilhar com vocês o que descobri ao longo do tempo para que não cometam o mesmo erro.

Vamos lá!

Principal erro que eu cometi

O meu principal erro foi achar que uma mochila cargueira deveria ser uma mochila grande e cheia de bolsos para organizar os itens. Na época não procurei me informar sobre os principais detalhes que compõem uma boa mochila cargueira, como: estrutura, costado e barrigueira.

Porém, descobri com o tempo que nem sempre devemos comprar uma mochila apenas por ser grande. Na verdade, isso acaba atrapalhando o trekking, afinal, quanto mais espaço mais coisas a gente leva, por isso, a mochila cargueira fica maior e mais pesada.

Já usei mochilas de 70 litros, 60 litros, 55 litros e hoje tenho uma de 45 litros para trekking com pernoite em camping (levando a barraca e itens de cozinha) e outra de 35 litros para trekking com pernoite em abrigo (sem a barraca e itens de cozinha)

Artigos relacionados:

A pior mochila cargueira que eu já usei

Foram mais de seis modelos de mochila cargueira ao longo desses seis anos de montanha, mas nenhuma se compara à minha primeira experiência: Marca Exploring Clio Pack.

Comprei dois modelos da marca, sendo a primeira de 60 litros e a segunda de 55 litros. Além disso, as duas possuem as mesmas características no costado, barrigueira e estrutura.

Para entender melhor, separei os 6 erros mais comuns na hora de comprar uma mochila cargueira.

Lembrando que essas informações valem para qualquer marca de mochilas. Observe cada detalhe mencionado neste post e avalie as suas principais características e benefícios.

Erro 01 – Estrutura da mochila cargueira

❌ Como você pode observar, a mochila da foto não possui uma estrutura no costado. Por isso, quando usada durante um trekking, todo o peso é transferido para os ombros.

Como consequência, você pode ter sérios problemas de dores nos ombros e na coluna, além de dar a sensação de que a mochila está mais pesada.

💡 As mochilas mais indicadas para trekking possuem uma estrutura interna (esqueleto) onde normalmente são duas placas de alumínio no formato paralelo (I I) ou em X.

Além de gerar mais conforto ao usuário, essas placas de alumínio distribuem o peso corretamente pelo corpo evitando possíveis lesões ou desgaste físico desnecessário.

Erro 02 – Costado da mochila cargueira

❌ Veja a diferença entre os dois modelos: o primeiro modelo não possui costado acolchoado, já o segundo modelo possui uma estrutura mais acolchoada nos locais de maior atrito.

💡 Esse tipo de costado mais acolchoado, além de dar mais conforto, ajuda na transferência do peso, retirando o excesso dos ombros e transferindo para o quadril.

Erro 03 – Barrigueira da mochila cargueira

❌ A barrigueira da minha primeira mochila era uma fita que não tinha nenhuma função, pois não suportava o peso da mochila de forma confortável.

💡 Uma boa barrigueira deve ter duas camadas: a primeira é de espuma, que tem a função de dar mais conforto e gerar menos atrito na região do quadril e a segunda camada é estabilizadora, que tem a função de receber o peso e transferir para o quadril.

Sendo assim, mesmo as mochilas com barrigueira grossa, mas sem uma estrutura firme na parte interna, não cumprem a função corretamente.

Erro 4 – Peso percebido

❌ O principal problema da minha primeira mochila era que todo o peso ficava distribuído entre os ombros. Por isso, ao longo de 5 horas de caminhada eu já não aguentava mais de dores nas costas e nos ombros.

💡 Mochilas sem estrutura no costado e barrigueira não vão cumprir a função de distribuir o pedo corretamente para o quadril. Lembre-se que o peso percebido deve ficar no quadril, nunca nos ombros.

Erro 5 – Regulagem das alças e costado

❌ Outro problema da minha primeira mochila cargueira era que ela não possuía costado regulável para adaptação às costas. Além disso, a fita peitoral, assim como os ajustes da barrigueira, não eram nada confortáveis.

💡 As boas cargueiras possuem até 6 pontos de ajuste, como: altura das alças, ajuste do costado, fita peitoral, barrigueira na frente e atrás, fitas de compressão nas laterais da mochila, fita de ajusta na altura dos ombros.

Além de deixar a mochila mais confortável, esses ajustes ajudam na distribuição de peso e preserva o seu corpo de possíveis lesões.

Erro 6 – Sistema de ventilação

❌ Cheguei no topo da montanha com as minhas costas encharcadas de suor.

Ao longo da caminhada também senti muito desconforto por conta da umidade, afinal, andar por horas com uma mochila pesada e desconfortável nas costas não seria diferente. Acontece que a umidade em contato com a pele só complicou ainda mais a situação, além de dores a pele ficou irritada com o atrito.

Veja alguns modelos de costado que considero específicos para um trekking 

Além disso, tem outros erros que eu cometi como, por exemplo, o saco de dormir no topo da mochila, mas este assunto eu abordo melhor neste vídeo: como arrumar e distribuir o peso da mochila cargueira

Essa foi minha primeira experiência com uma mochila cargueira para montanha, que resultou em dinheiro jogado fora e muitas dores nas costas e nos ombros.

Se você está na dúvida de qual mochila cargueira comprar, eu fiz um artigo completo onde explico tudo com mais detalhes. Veja aqui qual mochila cargueira comprar para acampamento 

Gostou do conteúdo e as dicas? Então deixe aqui o seu comentário ou sugestão. Ah, não se esqueça de compartilhar este artigo nas redes sociais.

Acompanhe o meu Instagram e Youtube , estou sempre dando várias dicas por lá

Deixe seu comentário