Na Zona Sul do Rio de Janeiro – Cantagalo, encontra-se a Chaminé do Prego, uma clássica via que dá vista para os bairros de Copacabana e Lagoa Rodrigo de Freitas, sua conquistada foi em 1931 pelo Centro Excursionista Brasileiro.

Localizada na face norte, a via chaminé do prego dá acesso ao platô onde tem uma contenção na rocha.

Após passar por uma reforma realizada pelos escaladores Miguel Monteza e Escaladas Clássicas (instrutores AGUIPERJ), a via vem se tornando cada vez mais frequentada e sua graduação acessível à torna, inclusive, uma ótima opção quando a intenção é experimentar esse estilo de escalada em rocha.

Técnica de chaminé

A técnica de “chaminé” é uma das mais naturais que existem para escalar montanhas. Tanto que, as primeiras montanhas a serem conquistadas no Brasil foram aquelas que podiam ser escaladas por essas “fendas de corpo”, onde o escalador se utiliza das duas faces rochosas para, com técnicas de entalamento, atingir o cume. Dedo de Deus, Agulha do Diabo, Nariz do Frade e Pão de Açúcar são algumas dessas montanhas.

Técnica de rapel

Um dos momentos mais impressionantes é o rapel com vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas, a fenda (chaminé) cria uma moldura incrível, ótimo momento para relaxar e curtir o visual. Após duas descidas, uma com 35 metros e outra com 15 metros, chega-se na base da via (Chaminé do Prego).

Croqui Chaminé do Prego

Fonte: Monteza Escalada

Melhor horário para fazer a via chaminé do prego

O horário ideal para escalar a Chaminé do Prego (2* III 55m) é pela manhã pois é quando, além de escalar abrigado do Sol, o escalador poderá contemplar, também na sombra, um visual exclusivo da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Onde fica a entrada da via chaminé do prego

Durante a semana é possível entrar pelo portão da Cedae (no final da rua), durante o fim se semana esse portão fica fechado, por vezes o proprietário da casa ao lado permite o acesso pelo seu quintal.

Galeria de fotos: via chaminé do prego – Cantagalo / RJ

Essa via faz parte do curso básico de escalada (aula de chaminé) do instrutor de escalada Thiago Bessa Telles

 

Deixe seu comentário